Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil: Paradinha Acordar conscientiza motoristas da BR-343 e Av. Nossa Senhora de Fátima

Ações fizeram parte da campanha em alusão ao dia 12 de junho

A campanha em alusão ao dia 12 de junho, Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil, continua cumprindo a programação articulada para o mês, com ações por toda a capital. Ontem (10) e hoje (11), foram realizadas Paradinhas Acordar, em que profissionais da rede socioassistencial do munícipio abordaram motoristas e transeuntes, reforçando a importância da participação da população como um todo no enfrentamento a essa prática.

A primeira ação aconteceu na manhã de segunda, no posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF), situado na BR-343. A partir das 8h, iniciou-se panfletagem e exposição de cartazes com slogan da campanha “Criança não deve trabalhar. Infância é pra sonhar!”. Passageiros de ônibus também foram abordados pela equipe, que durante as paradas necessárias adentrou nos veículos e conversou com a população. A PRF esteve presente, com banners próprios de apoio à causa.

Já na manhã de hoje (11), a zona Leste foi o território alcançado. A mobilização aconteceu no cruzamento entre as Avenidas Dom Severino e Nossa Senhora de Fátima, e contou também com a contribuição das crianças que fazem parte dos Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) de Teresina. Elas confeccionaram cartazes com desenhos e mensagens de sua autoria, ressaltando os fortes impactos sofridos pelas vítimas.

De acordo com a programação, que pode ser acompanhada pelo site da Semcaspi, mais três paradas do tipo devem acontecer até dia 27. A população pode sanar eventuais dúvidas entrando em contato com a Gerência de Proteção Especial (GPSE), por meio do 3226-8339.

Grupo de venezuelanos recebe acompanhamento de Agentes de Proteção Social em Teresina

Uma equipe de Agentes de Proteção Social (APS), formada por 10 profissionais, está acompanhando o grupo de venezuelanos que estão em Teresina desde a última segunda-feira (13). Os APS buscam verificar informações iniciais, como o número exato do grupo de imigrantes, se eles possuem o cadastro de regularização migratória – obrigatório ao entrar no País -, se já possuem o CPF e se já passaram pela imunização de imigrantes.

As informações são fundamentais para o fluxo de atendimento pela Assistência Social do município. A Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi) colocou à disposição dos APS que estão acompanhando os venezuelanos um instrumental específico de atendimento. “Só com essas informações em mãos, será possível o encaminhamento dos imigrantes para os programas de assistência social do Governo Federal, conforme previsto na Política Nacional de Assistência Social”, informa Mauricéia Carneiro, secretária-executiva do SUAS em Teresina.

No caso em questão, é importante a identificação deste público para que, com o conhecimento de suas demandas específicas, a gestão municipal possa se organizar para atendê-las, com inclusão dos serviços socioassistenciais disponíveis no município”, complementa Mauricéia Carneiro. Em caso de pessoas, brasileiras ou não-brasileiras, em situação de vulnerabilidade social ou violação de direitos em Teresina, a população pode entrar em contato com o município através do 153.

Novo espaço do Centro Pop é inaugurado em Teresina

A Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi) inaugurou, na manhã desta quinta-feira (21), a nova sede do Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua, o Centro POP. O espaço, que fica localizado na Rua Félix Pachêco, Nº 1352, visa ao acompanhamento de cerca de 100 pessoas em situação de rua na capital.

O novo espaço também vai fazer o encaminhamento de pessoas em situação de rua para o Restaurante Popular de Teresina. O Centro POP representa um local de referência para o convívio social e o desenvolvimento de relações de solidariedade, afetividade e respeito, ofertando atendimentos individuais e coletivos.

É um centro de referência muito importante, que oferece atendimento com psicólogas e assistentes sociais para pessoas em situação de rua. Também contamos com o SEAS, Serviço Especializado em Abordagem de Rua, onde os agentes de proteção social estão diariamente no espaço da rua para identificar essas situações de risco e fazer o melhor encaminhamento para essas pessoas”, destaca Layla Paiva, Coordenadora da Divisão de Média Complexidade da Semcaspi.

O Centro também oferta oficinas e atividades de convívio e socialização, além de ações que incentivem o protagonismo e a participação social das pessoas em situação de rua. “É muito importante proporcionar para Teresina um melhoramento dos equipamentos sociais disponíveis pela assistência, em particular nesse momento, com um novo local para o Centro Pop. O novo espaço é mais qualificado para melhor atender a pessoa em situação de rua”, pontua o secretário da Semcaspi, Samuel Silveira.

Sobre o espaço

O Centro POP constitui-se em uma unidade de referência da Proteção Social Especial de Media Complexidade, de caráter público estatal, com papel importante no alcance dos objetivos da Política Nacional para a População em Situação de Rua. As ações desenvolvidas pelo Centro POP e pelo Serviço Especializado para Pessoas em Situação de Rua devem integrar-se às demais ações da política de assistência social, dos órgãos de defesa de direitos e das demais políticas públicas.

São esses órgãos saúde, educação, previdência social, trabalho e renda, moradia, cultura, esporte, lazer e segurança alimentar e nutricional – de modo a compor um conjunto de ações públicas de promoção de direitos, que possam conduzir a impactos mais efetivos no fortalecimento da autonomia e potencialidades dessa população, visando à construção de novas trajetórias de vida.

Internos recebem certificado de conclusão de tratamento contra as drogas

Nesta quinta-feira (4), a Comunidade Terapêutica Casa do Oleiro certificou uma nova turma de internos que completou o tratamento e obteve alta terapêutica. A solenidade de formatura aconteceu no Sítio Paraíso com a presença de familiares, membros da instituição e autoridades ligadas ao combate à dependência química no Piauí.

A instituição, que atende 70 pessoas, entre homens e mulheres, atua há quase sete anos no acolhimento e tratamento de dependentes químicos. Os internos, além de terem acompanhamento espiritual, recebem um acompanhamento profissional com laborterapia, manutenção do processo de desintoxicação e acompanhamento psicossocial.

“São seis meses de curso até a formatura. Temos 35 formandos, 28 homens, 5 mulheres e 2 adolescentes. É muito gratificante saber que estão retornando ao seio da família e à sociedade da melhor forma possível: com a palavra de Deus  e a visão mais ampla,” destaca Amanda Lima, Auxiliar Administrativa da Casa do Oleiro.

Com um trabalho fortemente ligado à inclusão social, a Casa do Oleiro é assistida pela Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (SEMCASPI). O secretário Samuel Silveira, que é um dos padrinhos da instituição, acompanhou a cerimônia de certificação e destaca a importância do trabalho realizado pela comunidade para o fortalecimento das ações de desenvolvidas para a prevenção, conscientização e reinserção social do dependente químico.

“É uma cerimônia emocionante que vem coroar um trabalho primordial de profissionais dedicados e a força de vontade de homens e mulheres que resolveram quebrar o ciclo vicioso das drogadição. E nós, que fazemos parte de uma secretaria que também articula projetos de enfrentamento às drogas na capital, ficamos muito felizes em dar suporte a esse trabalho que tem resultados positivos e já recuperou dezenas de pessoas da dependência química”, conclui o secretário da Semcaspi.

CREAS Leste discute ações contra o trabalho infantil

Na tarde dessa quinta-feira (17), o Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) Leste realizou uma roda de conversa sobre o trabalho infantil e a mendicância nas ruas. A atividade contou com representantes da Gerência de Proteção Social Especial (GPSE) da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), além da equipe técnica do CREAS em questão.

Durante o encontro, foi apresentado o atual cenário social da zona Leste de Teresina, com dados colhidos pela Gerência do CREAS. Foi debatida a necessidade de visitas aos estabelecimentos comerciais da área, que podem ser espaço de atividades irregulares, além de uma capacitação da equipe do Serviço Especializado em Abordagem Social (SEAS), e o fortalecimento da parceria com o IV Conselho Tutelar e de uma ampla divulgação de campanhas que conscientizem população a não reforçar a prática da mendicância.

Membros das Ações Estratégicas do Programa de Enfrentamento do Trabalho Infantil (AEPETI) também estiveram presentes e reforçaram a importância da discussão sobre as formas de sensibilização sobre os problemas que o trabalho infantil causa no desenvolvimento da criança. “Enquanto trabalham, as crianças têm direitos negligenciados, em muitos casos, não podendo usufruir de serviços básicos necessários, como ter acesso à educação, saúde, lazer e convívio familiar de forma saudável. As ações do AEPETI trabalham essa situação, para garantir o acesso aos direitos”, destaca Samuel Silveira, secretário da Semcaspi.

Como denunciar casos de trabalho infantil?
A população pode denunciar casos de exploração do trabalho infantil através do número 153 ou na sede do Conselho Tutelar, Centro de Referência da Assistência Social (Cras) ou Centro de Referência Especializado da Assistência Social (Creas) mais próximos de sua residência. Após a identificação, os órgãos públicos responsáveis tomarão as devidas providências para garantir a proteção social da criança, adolescente e suas famílias, bem como a garantia de direitos que naquele momento está sendo violada.

Uma nova chance na vida: Pessoas em situação de rua concluem curso profissionalizante em Teresina

A tarde dessa terça-feira (4) foi de muita alegria na sede da Casa do Caminho, instituição vinculada à Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi). O motivo foi a conclusão do curso profissionalizante para pessoas em situação de rua, que são atendidas pela Casa. Ao todo, foram 19 pessoas que terminaram o curso de Serviços Gerais, ofertado pelo projeto Livre para Viver.

Ao final do curso, elas receberam o certificado assinado pelo secretário da Semcaspi, Samuel Silveira, e estão aptas para exercer a profissão no mercado de trabalho, podendo, ainda, buscar mais formação, pois, com a conclusão das aulas, a perspectiva é de que, já no mês de dezembro, seja definido um novo curso para ser ofertado. O projeto Livre para Viver visa à promoção dos direitos de cidadania para pessoas em situação de vulnerabilidade social ou que tenham sido dependentes de substâncias psicoativas.

Toda ação pública só tem sentido se mudar a vida das pessoas. A felicidade é poder contribuir com a mudança da vida dessas pessoas. O certificado nada mais é que um papel e um conjunto de letras, mas, a partir dele, enxergamos em pessoas em situação de vulnerabilidade, uma oportunidade de melhoria de vida. A partir do aprendizado, que trouxe a formação, podem produzir, trabalhar e ter uma nova oportunidade de vida”, comenta Samuel Silveira.

Sobre o espaço

Os encaminhamentos para a Casa do Caminho, geralmente, são realizados pelo Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro Pop), pela Rodoviária de Teresina e pelas Unidades Básicas de Saúde (UBS). A Casa do Caminho não recebe somente moradores de ruas. As vagas são destinadas, também, àquelas pessoas que estão em trânsito por Teresina, entre uma viagem e outra; pessoas que se encontram em situação de infortúnios, como assaltos, perda de dinheiro; pessoas de outras cidades que vêm à capital em busca de tratamento médico e não possuem familiares em Teresina.

Mães assistidas pelo Centro Dia Saber Cuidar recebem orientações sobre saúde bucal

Na última quarta-feira (21), as mamães assistidas pelo Centro Dia de Referência para Crianças com Microcefalia e Deficiências Associadas e Suas Famílias Saber Cuidar receberam uma série de orientações sobre saúde bucal ministradas por acadêmicos do curso de Odontologia da Universidade Federal do Piauí (UFPI).

Na ação, estiveram presentes 12 mães e 14 crianças. “Foi uma palestra muito boa. Nos ensinaram sobre os cuidados e forma correta de escovar os dentes, tanto dos nossos filhos, quanto das mães; como se alimentar corretamente para não prejudicar os dentes; os perigos do açúcar para nossos dentes; coisas que a gente achava que sabia, mas, no fundo, não tinha o conhecimento correto. Só temos a agradecer aos alunos e professores que, também, vão realizar um acompanhamento com a gente”, comenta Beatriz Cardoso, mamãe assistida pelo Centro.

Além das orientações, foram distribuídos kits de higiene bucal, realizadas dinâmicas, gincanas, além de debates sobre a importância da autoestima, pois o cuidado muitas vezes é redirecionado apenas ao cuidado com os filhos. “Através da ação, firmamos uma parceria com o curso de Odontologia que vai propiciar mais momentos como esse às mamães acompanhadas pelo Centro”, destaca Tâmara Narrara, coordenadora do Centro Dia Saber Cuidar.

O espaço acompanha crianças de 0 a 6 anos de idade. Na instituição, são promovidas atividades lúdicas e cuidados para o desenvolvimento infantil; apoio aos cuidadores familiares sobre a autonomia nos cuidados diários; apoio na administração de medicamentos; e a realização de ações preventivas de agravos da deficiência e/ou surgimento de doenças.

O Centro Dia Saber Cuidar é administrado pela Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), em parceira com a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE).

Pessoas em situação de rua concluem curso profissionalizante em Teresina

Esse projeto veio dar alegria. Quando estou na rua não tenho a felicidade que tenho estando aqui. Já fui dependente químico e o curso me levou a viver mais. Ajudou muita gente e, pra mim, foi uma oportunidade única”. Assim, Francisco Wagner define a importância do curso Arte em Mosaico, ofertado pelo projeto Livre para Viver, no Centro de Referência Especializado para população em situação de rua (Centro POP), vinculado à Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi).

Nesta terça-feira (6), 15 pessoas em situação de rua concluíram o curso, que foi ofertado às terças, quartas e quintas-feiras, pela manhã, no Centro. As aulas, que contabilizaram 80 horas  de instrução, contribuíram tanto para a formação técnica, quanto para o desenvolvimento pessoal, como destaca Aline Kelly de Brito, coordenadora técnica do projeto Livre para Viver.

Além da técnica, o curso oportuniza a autonomia, sensibiliza sobre as situações de risco na rua e leva a uma reflexão, pois também trabalhamos eixos como a cidadania, atrelados ao empreendedorismo. E, ao mesmo tempo em que desenvolvem as ações relativas a oficina, também são acompanhados por técnicos – pedagogos e psicólogos – que trabalham a socialização das pessoas em situação de rua, fortalecimento da convivência entre eles, resgate da autoestima, com vistas ao retorno do convívio familiar e social”, destaca Aline.

Com a conclusão das aulas, a perspectiva é que no mês de novembro seja definido um novo curso para ser ofertado aos usuários.  “Toda ação pública só tem sentido se mudar a vida das pessoas. A felicidade de hoje de manhã foi ver vidas sendo mudadas. O certificado nada mais é que um papel e um conjunto de letras, mas, a partir dele, enxergamos em pessoas em situação de rua, uma oportunidade de melhoria de vida. A partir do aprendizado, que trouxe a formação, podem produzir, comercializar e ter uma nova oportunidade de vida”, comenta Samuel Silveira, secretário da Semcaspi.

O projeto Livre para Viver visa à promoção dos direitos de cidadania para pessoas em situação de vulnerabilidade social, ou que tenha sido usuárias de drogas. O Centro POP oferta o Serviço para População em Situação de Rua, que funciona de segunda a sexta-feira, de 8h às 18h. A instituição também oferta o Serviço Especializado em Abordagem Social (SEAS), que consiste em identificar pessoas em situação de rua, através dos Agentes de Proteção Social (APS), ofertando atendimento. O serviço é prestado de domingo a domingo, nos três turnos.

Centro Dia ‘Saber Cuidar’ fortalece cuidados a crianças com microcefalia e suas famílias

A infância é uma fase de descobertas e aprendizados e requer cuidados intensificados ao se conviver com uma deficiência. Nesta quinta-feira (11), celebra-se o Dia da Pessoa com Deficiência Física e, em Teresina, crianças com microcefalia e doenças associadas ao zika vírus e suas famílias encontram apoio e cuidados no Centro Dia ‘Saber Cuidar’.

O espaço acompanha crianças de 0 a 6 anos de idade. “O Centro Dia tem uma grande importância na minha vida e da minha filha. Encontrei pessoas acolhedoras, que se importam com o bem-estar e ajudam nossos filhos na inclusão com outras crianças, interação com outras pessoas. É um local muito acolhedor, com pessoas amorosas que cuidam muito bem de nós”, declara Ana Caroline Barroso, mãe assistida pelo serviço há quatro meses, com sua filha de dois anos.

Na instituição são promovidas atividades lúdicas e cuidados para o desenvolvimento infantil; apoio aos cuidadores familiares sobre a autonomia nos cuidados diários; apoio na administração de medicamentos; e a realização de ações preventivas de agravos da deficiência e/ou surgimento de doenças.

O espaço tem capacidade para atender, diariamente, 30 usuários. “A Casa é um suporte para a família, tanto de lazer, quanto de socialização com outras crianças. No fortalecimento de vínculo da família, vemos como um todo, não apenas o usuário atendido. A cada fragilidade percebida, tratamos o tema em nossos encontros, para ajudar e compreender a demanda no exato momento”, comenta Tâmara Narrara, coordenadora da instituição;

Dia das Crianças

Em alusão ao Dia das Crianças, foi realizada, na sede da instituição, uma manhã de atividades interativas. No espaço, foram realizadas pinturas de rosto, atividades de lazer com o grupo ‘Doe um Sorriso’, atividades musicais, entre outras. No momento, também foi realizada uma avaliação do serviço ofertado, através de um questionário respondido pelas mães.

Todas as datas que envolvem nossas crianças são importantes de comemorar. O sorriso demonstra que, da forma delas, elas entendem o amor, o carinho, através de cada estímulo. É uma alegria não só para elas, mas para nós, mães, que participamos da comemoração, que não tem desrespeito, nem exclusão, mas somente amor, alegria, humildade e humanidade, que é o que completa o Saber Cuidar”, comenta a mamãe Ana Caroline. A atividade contemplou cerca de 15 mães e 23 crianças. O Centro Dia Saber Cuidar é administrado pela Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), em parceira com a APAE.

Casa de Acolhimento Reencontro recebe doação da AVAPI

No último sábado (26), a Casa de Acolhimento Reencontro recebeu mais uma importante doação para o fortalecimento do cuidado com as crianças atendidas. Isso porque a Associação dos Vaqueiros Amadores do Piauí (AVAPI) destinou o dinheiro arrecado com o leilão de um cavalo à instituição.

No total, o valor contabiliza R$ 12.500,00. “O poder público vem fazendo seu papel, mas o auxílio da sociedade civil é importante em nosso trabalho, para propiciar às crianças todas as condições necessárias para a superação das violações de direitos. É uma importante contribuição que a AVAPI proporciona às crianças do Reencontro. Agradecemos imensamente essa parceria”, comenta Daguimar Barbosa, gerente de Proteção Social Especial (GPSE).

A AVAPI já auxilia o Reencontro através de outras ações, como destaca o presidente da associação, Ravid Lages. “Já temos um projeto com o Reencontro, que é a Escolinha de Vaquejada. Devido a essa aproximação, vemos o quanto a escolinha traz um retorno para as crianças. O valor arrecadado será administrado pela Associação, veremos as necessidades instantâneas do Reencontro e também compraremos capacetes e roupinhas para uma profissionalização da escolinha”, destaca.

A Casa de Acolhimento Reencontro abriga crianças de 0 a 12 anos incompletos, que tiveram a integridade física e afetiva comprometida devido à violação de direitos. A instituição é mantida pela Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), mas recebe doações da sociedade civil, associações, organizações não governamentais, entre outros, como forma de reconhecimento pelo trabalho oferecido pela instituição.