Notícias em destaque na página inicial

Teresina Transforma: Plataforma muda a realidade de projetos sociais na capital do Piauí

O Teresina Transforma vem mudando a realidade dos projetos sociais que estão participando da plataforma. Mantido pela Prefeitura de Teresina, através da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), o programa de apoio ao voluntariado possui atualmente mais de 600 cadastrados em apenas dois meses de atuação.

Dentre os projetos que estão inseridos na plataforma está o Restaurando Sonhos. A iniciativa consiste em incentivar a realização do sonho de crianças que desejam se tornar jogador de futebol, buscando oportunidades em grandes clubes do país.

“Nós temos três anos de atuação no Piauí e buscamos viabilizar testes para essas crianças nos grandes clubes de futebol do Piauí e de fora do Estado. Temos parceria com outras escolinhas e já conseguimos aprovar atletas no Sport Club Corinthians do estado de São Paulo, Clube de Regatas Flamengo e no Fluminense Futebol Clube, ambos do Rio de Janeiro. Hoje nós temos unidades do projeto no bairro Promorar e outra no bairro Renascença, na zona Sudeste de Teresina”, disse Alex Carvalho, coordenador do Restaurando Sonhos.

Através da plataforma, o coordenador do projeto externou a necessidade de contar com o trabalho voluntário de psicólogos para a realização de um relatório para traçar o perfil dos atletas que estão sendo enviados para a realização de testes nos clubes de fora do Piauí.

“O projeto estava precisando de duas psicólogas para atender três crianças que estão sendo enviadas para um clube de futebol da Bahia e as respostas do nosso chamamento surgiram através da plataforma. Já tivemos também a participação de uma nutricionista que nos deu uma palestra sobre nutrição esportiva e que o contato também foi feito através da plataforma. O Teresina Transforma tem sido a ponte para essas crianças que sonham em ser jogadores de futebol e agora terão oportunidades nos grandes clubes”, completou Alex.

O secretário municipal de cidadania, assistência social e políticas integradas, Samuel Silveira, explica que os projetos participantes estão constantemente disponibilizando vagas através da plataforma e que as pessoas que se identificarem com determinada ação podem se inscrever, aguardar a aprovação e o chamamento.

“Nós estamos acompanhando e aprovando as ações e cadastros que estão surgindo na plataforma. Estamos felizes por que a plataforma está promovendo o encontro entre quem precisa e quem tem condições de ajudar”, disse o secretário.

Para os interessados que desejam saber como ser um voluntário ou cadastrar seu projeto social basta acessar o link https://teresinatransforma.pmt.pi.gov.br/.

Teresina Transforma realiza campanha que incentiva doação de sangue

A ação acontece nesta quinta-feira (20), mais de 100 voluntários se inscreveram e mostra que Carnaval também é época de solidariedade

As primeiras imagens que veem à nossa mente quando se fala em período carnavalesco é a alegria das cores e marchinhas, a irreverência das fantasias, festas e blocos de rua. Mas o que não nos lembramos de imediato é que nesta época muita gente precisa de nossa ajuda. Pensando nisso, o Teresina Transforma irá promover nesta quinta-feira (20) a ação “Doe Sangue”, uma campanha de doação de sangue e medula óssea para mostrar que fevereiro também é época de solidariedade.

A mobilização acontecerá a partir das 8h da manhã no Centro de Hematologia e Hemoterapia do Piauí (Hemopi). Mais de 100 voluntários já estão inscritos para participar. Os dados do Hemopi mostram que a quantidade de doações fica em baixa nessa época, com cerca de 30% a menos no estoque de sangue. É válido ressaltar que nessa época o banco de sangue é ainda mais necessário, devido o aumento de acidentes.

A ação é uma mobilização idealizada pelo projeto Transforma Brasil que está promovendo a campanha “Muda Junto – Doe Sangue” nacionalmente. A campanha tem como objetivo não somente reparar a baixa nos estoques de sangue durante o período carnavalesco, mas também sensibilizar a população para que a doação de sangue se transforme em hábito durante todo o ano. Para isso, os voluntários irão divulgar a segurança e a facilidade de ser um doador, uma ação pequena de resultados grandiosos.

O Teresina Transforma é uma plataforma online de voluntariado mantida pela Prefeitura de Teresina, através da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi). Mais de 560 voluntários e projetos sociais já estão cadastrados em apenas dois meses de atuação. Para saber como ser um voluntário ou cadastrar seu projeto social basta acessar o link https://teresinatransforma.pmt.pi.gov.br/.

Idosos descobrem o mundo da informática no Centro de convivência Jatobá

Os avanços da tecnologia, as novas formas de comunicação e uso da internet é uma realidade no mundo inteiro, sobretudo para as novas gerações. Computadores e celulares conectados à internet passaram a fazer parte do dia-a-dia das pessoas, tanto nos vínculos profissionais quanto nos familiares. Entretanto, para as gerações anteriores, esta é uma realidade bastante complicada. Pensando nisso, o Centro de Convivência e Fortalecimento de Vínculos da Pessoa Idosa “Jatobá” está ofertando oficinas de informática e tem tido uma boa receptividade entre os usuários do serviço.

O objetivo das oficinas é dar autonomia para os idosos fazerem uso da internet no seu dia-a-dia e, assim, incluir eles no mundo digital. O Jatobá conta com oito computadores em seu laboratório de informática e cerca de 20 idosos frequentam as oficinas que são divididas em três turmas.

Teresinha de Sousa Oliveira, de 83 anos, frequenta o Centro de Convivência desde sua inauguração, que ocorreu em agosto de 2019. Muito ativa e extrovertida, a idosa conta que se sente muito bem nas aulas de informática e que já aprendeu bastante. “Entrei aqui nesse centro de convivência e estou me dando muitíssimo bem. Em agosto, eu fui ao CRAS e me falaram da inauguração daqui, eu participei, gostei e estou frequentando até hoje. Eu estou amando e venerando isso aqui. No computador eu já aprendi a ligar, manusear e digitar”, declara a idosa.

Dona Teresina, 83 anos, no laboratório de informática do Centro de Convivência da Pessoa Idosa Jatobá.

Além dos computadores, nas oficinas os idosos também aprendem a manusear seus celulares, visto que grande parte não sabe; assim, saber realizar uma ligação pode ajudar bastante em uma situação de urgência. “Eu frequento as aulas de informática porque tenho um celular e não sei usar, mas agora já aprendi fazer ligação. Estou me sentindo muito bem fazendo estas aulas, estou amando”, finaliza dona Teresina.

A oficina teve início ano passado e contou com um considerável número de participantes, o que incentivou a dar continuidade no projeto. O instrutor Matheus Nunes da Silva Santos, de 23 anos, afirma que a oportunidade de trabalhar com os idosos é maravilhosa. “Essa troca entre gerações é bastante rica. Como todo caminhar tem suas dificuldades, aqui não foi diferente, porque muitos deles nunca tiveram contato com um mouse ou um teclado. Eu me sinto bem feliz porque não se resume somente em estar com elas no laboratório, eles ganham autonomia por meio do mundo digital”, explica.

Maria das Graças, 60 anos, diz que tem gostado bastante das aulas porque é uma forma de não ficar ociosa em casa. “Tem muitas atividades para fazer aqui, para a gente não ficar parada em casa. Agradeço por quem teve essa ideia de fazer esse local para nós que já estamos chegando a uma idade avançada, aqui a gente aprende muita coisa e também conhece nossos direitos”.

A coordenadora do Centro de Convivência, Stephanie Santos, fala da importância das oficinas para os idosos. “A internet e os aparelhos eletrônicos, muitas vezes, afastam ou até mesmo excluem os idosos desta forma de socialização. Então, nosso objetivo é utilizar isso como uma ferramenta que possa incluir e aproximar os idosos da família, ajudar a manter os vínculos. Também, é uma oportunidade que permite que os usuários, sem sair de casa, possam ter acesso a direitos e diversos serviços. Para eles é interessante poder acessar a internet para marcar uma consulta, procurar alguma informação, um vídeo ou uma receita, por exemplo”.

Outra atividade desenvolvida com os usuários do centro, por meio das oficinas, é a leitura. A coordenadora explica que muitos idosos têm dificuldade de leitura, o dificulta o uso do computador. “Então para que eles não fiquem excluídos utilizamos a oficina de informática como uma ferramenta para auxiliar na leitura, pois estas atividades estimulam a memória, a coordenação motora e tudo isso é muito importante para eles”.

O Centro de Convivência Jatobá possui capacidade para atender 250 idosos. O prédio possui oito salas mais um laboratório de informática, auditório, refeitório e espaços de convivência. Toda a estrutura é adaptada para acessibilidade. Atualmente, cerca de 100 idosos frequentam as atividades como roda de conversa, oficina de artesanato, capoterapia, oficina de dança, dentre outras nos turnos manhã e tarde.

A unidade faz parte do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) e é administrada pela Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi) em parceria com a Ação Social Arquidiocesana (ASA). O Centro de Convivência  fica localizado na Avenida Jatobá nº 2911 – Conjunto Jatobá, zona Sul de Teresina.

Secretaria convoca entrevistadores aprovados do programa BPC

A Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), por meio da Comissão de Organização do Processo Seletivo Simplificado do Edital nº 01/2019, torna pública a convocação dos 30 (trinta) primeiros candidatos classificados para entrevistador do Programa Benefício de Prestação Continuada – BPC na Escola.

Os candidatos convocados irão atuar no Programa de Acompanhamento e Monitoramento do Acesso e Permanência de Pessoas com Deficiência na Escola. A contratação dos entrevistadores é imediata e terá validade de 6 (seis) meses, podendo ser renovado por igual período.

“Os entrevistadores serão contratados temporariamente para aplicação de questionários. O objetivo é identificar famílias com crianças beneficiárias do BPC que por possam, eventualidade, estar fora da escola e reinseri-las na rede regular de ensino. Então, é importante que os entrevistadores se apresentem para que possamos alinhar a metodologia dos questionários e entender como funciona o programa BPC”, explica Guadalupe Veloso, assistente social da Semcaspi.

Os classificados devem apresentar-se no dia 03 de março às 8h no Auditório da Semcaspi, que fica localizado na rua Álvaro Mendes, nº 861 – Centro Sul. A convocação e demais informações podem ser conferidas aqui.

Feira da Agricultura Familiar acontece nesta sexta-feira (14)

Nesta sexta-feira (14) será realizada mais uma edição da Feira da Agricultura Familiar de Teresina. A feira acontece quinzenalmente na Praça Rio Branco das 8h às 14h e reúne diversos produtores de comunidades da zona rural do município para expor e vender produtos agroecológicos, como folhagens, legumes e derivados da macaxeira. O objetivo do projeto é incentivar a produção de base agroecológica, desenvolvimento sustentável e gerar renda para pequenos produtores, além de incentivar o consumo de alimentos saudáveis.

Ana Diva Macêdo, gerente de Segurança Alimentar e Nutricional (GSAN) da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), explica que os alimentos são cultivados sem nenhum tipo de agrotóxico em compromisso com a segurança alimentar. “As feiras são uma ótima oportunidade para que os pequenos produtores que trabalham no projeto de transição agroecológica possam comercializar seus produtos e também para que a população possa ter acesso a alimentos de qualidade por um preço acessível. Acreditamos que esse projeto pode contribuir para uma sociedade mais justa e sustentável”, afirma a gerente.

A Feira da Agricultura Familiar é uma realização da Coordenação da Comissão Municipal de Agroecologia e Produção Orgânica de Teresina (CMAPO). O projeto da comissão desenvolve atividades voltadas para o processo de transição agroecológica com 10 comunidades rurais de Teresina, dentre as quais estão Serra do Gavião, Soim, Ave Verde, Vale da Esperança e Camboa. A CMAPO é formada por servidores da Semcaspi, Superintendência de Desenvolvimento Rural (SDR) e colaboradores do Governo Federal como INCRA, MAPA, UFPI e outras instituições do Estado.

 

“Estamos defendendo nosso futuro”, diz prefeito na inauguração do V Conselho Tutelar

Durante a inauguração do V Conselho Tutelar de Teresina, realizada nesta terça-feira (11) na Santa Maria da Codipi, o sentimento de gestores, lideranças comunitárias e servidores era um só: a proteção aos direitos das crianças e adolescentes deve ser uma prioridade de toda a sociedade. “O objetivo final da política pública é ter êxito e se cada um cumprir bem a sua missão; os conselheiros, o Samuel (Silveira), o Ministério Público e a Justiça, a coisa acontece. Este é um momento de festa e alegria a para defesa das crianças e adolescentes”, afirmou o prefeito da capital, Firmino Filho.

Além da construção do novo conselho, a prefeitura de Teresina, através da secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), entregou cinco carros novos, que vão beneficiar os cinco conselhos tutelares da cidade. “A rede de proteção integral a criança e ao adolescente é uma bandeira dessa gestão. Hoje entregamos um novo conselho e cinco novos veículos para melhorar no atendimento para a população. Podemos ainda citar o recente reajuste salarial para os conselheiros tutelares. Com isso mostramos nosso trabalho pela garantia à cidadania dos nossos jovens, bem como reafirmamos nossa atenção com essa importante região que é a Santa Maria da Codipi”, afirmou o secretário da Semcaspi, Samuel Silveira.

Os Conselhos Tutelares Municipais têm a missão de representar a sociedade na proteção dos direitos dos jovens, como prevê o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) que reconhece a criança como um sujeito de direitos protegido pela lei.

Quando as crianças tiverem seus direitos violados, o Conselho Tutelar estará aqui justamente para defender esses direitos que estão previstos na Constituição. Só temos a parabenizar o município, através do prefeito Firmino Filho e do secretário Samuel Silveira pela entrega dessa obra”, afirmou a Dra. Maria Luiza de Moura, juíza da 1ª Vara da Infância de Teresina.

O objetivo da nova unidade é aproximar e tornar mais fácil o acesso aos serviços prestados pelos conselhos tutelares. Segundo Eliane de Sousa, secretária executiva do V Conselho Tutelar, antes mesmo de abrir as portas, a sede da instituição já era procurada pelas pessoas. “A criação de um Conselho dentro da grande Santa Maria da Codipi vai ajudar a reduzir os índices de violação referente aos direitos da criança e do adolescente e facilitar a vida dos que precisam desse sistema de atendimento. Inclusive, mesmo antes dessa inauguração, muita gente procurou o conselho para resolver algumas questões de violação referente aos jovens. Então, eu creio que toda a região só tem a ganhar com a implantação desse conselho”, disse.

O V Conselho Tutelar fica localizado na Rua Mariano Gaioso nº 5943, do Bairro Santa Rosa, zona norte de Teresina. Os telefones para contato são o 3211-6928 e o 99404-1192. Em Teresina, também é disponibilizado pela Prefeitura de Teresina o número 153, que é apto a receber denúncias de violações de direitos e encaminhá-las aos órgãos de referência. O objetivo é romper o ciclo de violência e proteger, sempre, as vítimas. As ligações são gratuitas e o sigilo do nome do denunciante é mantido.

Prefeitura inaugura novo conselho tutelar nesta terça-feira (11)

Prefeitura aproveita a ocasião para realizar entrega de cinco novos veículos para os Conselhos Tutelares

 

A população de Teresina passa a contar, a partir desta terça-feira (11), com mais um Conselho Tutelar. A nova unidade, situada na Santa Maria da Codipi, se junta as quatro já existentes, o que mostra o compromisso da Prefeitura da capital no fortalecimento das políticas públicas de proteção à criança e ao adolescente. A cerimônia de inauguração acontece ao meio dia, na Rua Mariano Gaioso nº 5943, do Bairro Santa Rosa. A PMT também vai realizar a entrega cinco veículos novos que vão atender todas os conselhos tutelares da cidade.

A novidade já havia sido contemplada e prevista pela última eleição realizada pelo Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCAT), que elegeu 25 conselheiros tutelares titulares e 25 suplentes; estes também já vêm sendo remunerados de acordo com novo reajuste salarial, assinado pelo prefeito Firmino Filho no dia 26 de dezembro do ano passado, que determinou aumento de R$340,48, passando de R$ 2.271,24 para R$ 2.611,72.

Segundo Samuel Silveira, Secretário Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), o 5º Conselho faz parte de uma construção de um futuro melhor para a capital. “É mais uma obra entregue à sociedade teresinense que faz parte do planejamento da gestão do prefeito Firmino Filho. É um compromisso acordado com toda a nossa cidade e está dentro do âmbito da proteção integral à nossa criança e ao nosso adolescente!”.

O órgão tem caráter permanente e autônomo e não jurisdicional e é ligado administrativamente à Gerência de Direitos Humanos (GDH) da Semcaspi. Segundo a Gerente da divisão, Daguimar Barbosa, somente em Janeiro deste ano, 280 casos de violação de direitos foram identificados pelos relatórios mensalmente realizados; um cenário que torna ainda mais importante a chegada de novo Conselho.

“Teresina, com a implantação de mais um Conselho Tutelar, garante uma cobertura mais eficaz no tocante à requisição de serviços e aplicação de medidas relacionadas ao público em questão, conforme preconiza o ECA!”, ressaltou Daguimar. “Como compromisso desta gestão, todas as condições necessárias estão sendo viabilizadas na garantia dos direitos sociais dessas crianças e adolescentes. Estamos aplicando todos os dispositivos legais e necessários para reverter qualquer cenário negativo”.

A população pode acompanhar os registros da cerimônia por meio do site e das redes sociais da Prefeitura de Teresina e da Semcaspi. Mais informações acerca do trabalho realizado pelo Conselho Tutelar e por extensão, pelo CMDCAT e Semcaspi também podem ser conferidos através do contato com o 3131-4703. Em Teresina, é disponibilizado pela Prefeitura de Teresina o número 153, que é apto a receber denúncias de violações de direitos e encaminhá-las aos órgãos de referência. O objetivo é romper o ciclo de violência e proteger, sempre, as vítimas. As ligações são gratuitas e o sigilo do nome do denunciante é mantido.

Zona Norte concentra 40% dos atendimentos realizados pela Defesa Civil Municipal

O trabalho da Defesa Civil Municipal se intensifica bastante durante o período chuvoso em Teresina. Somente no mês de janeiro, foram atendidas cerca de 30 ocorrências emergenciais por meio do telefone 153, deste total, quatro foram em decorrência de desabamentos. A Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi) está monitorando todos os pontos em situação de risco por meio da Gerência de Defesa Civil.

O mapeamento feito pela gerência detectou 56 áreas de risco existentes na capital. A zona Norte concentra 40% das ocorrências e riscos de alagamentos, desabamentos e deslizamentos próximos de residências. Ana Carolina de Oliveira passou por um grande susto com o esposo e os dois filhos, um de dois anos e outro de 10 meses. A doméstica de 28 anos teve sua residência no Residencial Dilma Rousseff totalmente comprometida em decorrência das chuvas de janeiro e precisou deixar a casa.

“Eu e minha família estávamos já deitados à noite quando começou a chover forte. Como nossa casa era de barro, as paredes começaram a cair. Nós estávamos sem contato com ninguém e decidimos ligar para a Defesa Civil. Eles foram lá, viram nossa situação e falaram que deveríamos sair de casa. O primeiro atendimento foi com a Defesa Civil, depois a Assistência Social da Prefeitura veio nos visitar. Eles foram muito solidários com a gente. Conseguimos alugar uma casa paga pela prefeitura”, explica Ana Carolina.

Os agentes da Defesa Civil realizam o primeiro atendimento no local e encaminham as demandas para as Superintendências de Desenvolvimento Urbano e Rural (SDUs/SDRs). As SDUs e SDRs fazem uma vistoria e avaliam o grau de comprometimento das construções. Após avaliação da equipe de engenharia, é feito um segundo encaminhamento, desta vez, para a equipe socioassistencial da Semcaspi.

Através do Programa Cidade Solidária, as famílias em situação de vulnerabilidade recebem um auxílio financeiro destinado a sanar a demanda habitacional, o aluguel solidário. Segundo Kânia Brito, gerente de Proteção Social Básica da Semcaspi, atualmente há 346 famílias cadastradas no programa Cidade Solidária nas duas modalidades, Aluguel Solidário e Família Acolhedora. Em janeiro deste ano, 14 famílias começaram a receber o auxílio de aluguel.

“O fluxo inicia a partir do atendimento pelo número 153. A defesa civil vai até o local, identifica a situação e encaminha para SDU para ser aberto o processo; após, o processo vem para a Semcaspi, onde é feito a solicitação para inclusão no Cidade Solidária. O valor pago é de R$ 300,00 durante seis meses, podendo ser renovado por igual período, e só encerra quando a demanda da família houver sido solucionada”, afirma a gerente.

De acordo com o coordenador da Defesa Civil, Deolindo Nascimento, o órgão está fazendo visitas frequentes em todas as áreas de risco. O trabalho integrado com as Superintendências de Desenvolvimento Urbano (SDUs) e as Superintendências de Desenvolvimento Rural (SDRs) também verifica os sistemas de drenagem e é feito limpeza de bueiros a fim de evitar os transtornos causados pelas chuvas.

A Defesa Civil alerta que os locais em situação mais crítica são Parque da Vitória, Parque Eliane e Irmã Dulce na zona Sul, Vila Apolônio, Parque Brasil e Parque Alvorada na zona Norte, Vila Mandacaru, Pedra Mole e Vila do Avião na zona Leste, Pedro Balzi, Vila Verde e Deus Proverá na zona Sudeste. Na zona rural o acompanhamento está sendo realizado no povoado Santa Luz, São Vicente e Cajazeira.

A população pode entrar em contato com a Defesa Civil por meio do número 153. Sobre o Aluguel Solidário, basta procurar um Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) mais próximo ou solicitar atendimento pelo telefone 3131-4729 da Gerência de Proteção Social Básica da Semcaspi.

Pesquisa aponta que bairros do Lagoas do Norte estão mais seguros

Uma pesquisa realizada, entre agosto e setembro de 2019, pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) mostrou que a população dos bairros contemplados pelo projeto Lagoas do Norte tem uma melhor percepção quanto à sensação de segurança quando comparado com os dados de 2016. Para a Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), a melhoria da segurança da região é motivada pela implantação do programa Vila Bairro Segurança (VBS), que desde 2018 desenvolve ações preventivas e de proteção em 13 bairros da zona norte da capital.

Os dados mostraram que os jovens dessas áreas se sentem mais seguros em casa, no bairro, na escola, no trabalho e em espaços públicos. Isso quando comparado com a pesquisa realizada em 2016 pela mesma equipe. Isso só mostra que a implementação da Guarda Municipal e as políticas públicas de prevenção, sobretudo de proteção dos jovens contra drogas e álcool, estão funcionando”, afirmou Samuel Silveira, secretário da Semcaspi.

A pesquisa do FBSP realizada com jovens dos bairros que compreendem o Lagoas do Norte abordou diversas temáticas como: percepções sobre violência, sensação de segurança, comportamentos e atitudes relação à violência, assim como exposição direta e indireta à violência e ainda o nível de confiança na polícia. A base comparativa é uma pesquisa da mesma natureza realizada em 2016, antes da implantação do Vila Bairro Segurança.

Aqui no Lagoas do Norte melhorou muito desde que a Guarda Municipal passou a andar pelo bairro. Antes a violência aqui era muito grande, tínhamos medo até de ficar fora de casa. Era cheio de gente fazendo o que não presta na praça, hoje quando eles veem a Guarda já recuam. Estamos mais seguros”, revela o lanterneiro Davi Vieira de Alencar, de 59 anos.

Segundo Débora Ferraz, analista de políticas integradas da Semcaspi e coordenadora do VBS, os resultados da pesquisa do Fórum Brasileiro de Segurança Pública se confirmam com a percepção dos moradores. “Em 2016, apenas 44% das pessoas entrevistadas se sentiam seguros em casa. Em 2019, essa percepção aumentou para 77,8%. Outro dado relevante diz que quatro anos atrás menos de 9% dos moradores, dos 13 bairros, se sentiam seguros andando nas ruas ou com o comércio aberto. O resultado atual mostrou que esse percentual aumentou para 27,8%, as pessoas se sentem seguras nesta mesma circunstância. Isso representa um aumento de 212%”, afirma Débora.

O VBS tem como objetivo reforçar a segurança nos bairros da capital, por meio dos projetos como o Blitz Sufoco e Teresina Protege, que formam a frente de proteção do programa. Além disso, a Prefeitura de Teresina investiu em asfaltamento e calçamento de ruas, melhoria da iluminação pública, revitalização de praças, arborização, programas de inserção à educação e capacitação de jovens para o mercado de trabalho, campanhas de combate ao uso de drogas e retirada de crianças e adolescentes de bares.

A autônoma Raimunda Nonata dos Santos, que vende frango na porta de casa, em frente à Praça do Lagoas do Norte, afirma que atualmente ela pode trabalhar com tranquilidade. “Eu vejo sempre eles [Guardas Municipais] passando aqui na praça. Eu acho muito bom porque é uma questão de segurança”, considera.

O Vila Bairro Segurança passa por um momento de avaliação e planejamento para uma nova etapa nos próximos anos, após a aprovação do crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a discussão em torno dos dados da pesquisa do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), parte fundamental do trabalho. O VBS atende os bairros Acarape, Aeroporto, Alto Alegre, Itaperu, Mafrense, Matadouro, Mocambinho, Nova Brasília, Olarias, Parque Alvorada, Poti Velho, São Francisco e São Joaquim.

Projeto busca famílias para acolhimento temporário em Teresina

O projeto Família Acolhedora está desenvolvendo diversas atividades para buscar a adesão de novas famílias que possam oferecer um acolhimento temporário para crianças que estão em abrigos. Até o momento, 06 famílias estão cadastradas no projeto e a meta da coordenação é chegar a 10 participantes nos próximos meses.

A gerente executiva do Família Acolhedora, Lorena Batista, explica que o acolhimento é feito durante o período em que a criança está afastada da família biológica, por decisão judicial. As famílias voluntárias são preparadas até que estejam prontas para receber e se responsabilizar pelos cuidados do menor, até que este seja reinserido à família de origem. Os pais biológicos também são acompanhados para que tenham condições de receber os filhos novamente nos seus lares.

“Nós somos um serviço de acolhimento familiar temporário para crianças em abrigo. Essas famílias acolhem as crianças em suas casas e enquanto isso, nós damos atendimentos e assistência psicossocial para suas famílias de origem. O nosso objetivo é que elas possam voltar para casa. Caso a justiça decida pela destituição familiar, a criança continua conosco até encontrar uma família para ser adotada”, explicou.

O serviço é ofertado pela Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), e oferece bolsa-auxílio às famílias interessadas em receber uma criança de R$ 500 (ou R$750, caso a criança possua alguma necessidade especial) e deve ser utilizada para o custeamento do bem-estar do acolhido.

“É um valor financeiro que busca auxiliar nas necessidades básicas que a criança tiver durante o período de acolhimento. É uma bela missão a de acolher nossas crianças, partilhando amor, cuidado e mantém vivo o convívio familiar através do serviço ofertado”, completou.

Os interessados em fazer parte do projeto podem entrar em contato pelo telefone (86) 3234-1652 e agendar uma entrevista com a equipe técnica.  Entre os principais critérios, estão: residir em Teresina, ser maior de idade (com 21 anos ou mais), ter disponibilidade afetiva para cuidar de crianças ou adolescentes, não apresentar problemas psiquiátricos, não ser dependente de substâncias psicoativas e não responder a processo judicial. Além do telefone, o Família Acolhedora também pode ser alcançado pelas redes sociais, no Instagram @familiaacolhedora1.